Cronómetro Marítimo


Cronómetro H-1 (1737)

Cronómetro H-4 (1760)

Cronómetro marítimo (séc.XIX)

Cronómetro de fixação vertical

As navegações oceânicas a partir do séc.XV punham um problema quanto à determinação do ponto, no que respeita à obtenção da longitude. Um dos métodos mais simples e directos implicavam a medição do tempo, mas por essa altura os relógios de bordo eram as ampulhetas cujos erros grosseiros não permitiam o seu uso no cálculo. Não bastava já a pouca precisão dos relógios da época, que começaram por ter apenas ponteiros mostradores de horas, como não eram destinados ao uso a bordo devido às constantes oscilações do navio e às grandes variações de temperatura que faziam com que se desregulassem ou parassem frequentemente.

Foram precisos vários avanços técnicos na relojoaria. Nos séc. XV e XVI desenvolveram-se as primeiras cordas em forma de mola enrolada. Em 1671 William Clement concebe o escape de âncora que necessitava apenas de 3º ou 4º do balanço de um pêndulo como regulador em vez dos 40º do escape de pêndulo de Galileu. Robert Hooke lembrou-se de aplicar a mola a uma corda de balanço que fazia oscilar a roda de um lado para o outro, mas foi o holandês Huygens que em 1674 apresenta o primeiro relógio que seguia este princípio. Foi prontamente acusado pelo inglês que afirmava ter sido ele o primeiro a inventar em 1658 este sistema, mas que apenas por falta de meios não o pode realizar.

Em 1714 o Parlamento Britânico anuncia uma recompensa a quem descobrisse um método prático de calcular a longitude no mar. O método utilizando a medida do tempo já era conhecido, mas faltava um aparelho com uma precisão e fiabilidade até então nunca conseguida.

Candidatando-se ao prémio, foi John Harrison que em 1735 viria a conceber o primeiro cronómetro marítimo, o célebre nr.1 que pesava 35 kg! Foi ensaiado pela Marinha inglesa a bordo do Centurion numa viagem a Lisboa. Por morte do comandante desse navio, John Harrison foi mandado embarcar de volta a Inglaterra no Oxford. Apesar de ter demonstrado poder conservar o tempo de uma forma até então nunca alcançada por qualquer instrumento, os poucos segundos de diferença fizeram com que John Harrison quisesse aperfeiçoar o cronómetro tanto em precisão como em tamanho.

Apresenta assim em 1741 o modelo nr.2 com algumas inovações técnicas que melhoraram significativamente a sua precisão. Foi sujeito a testes de temperaturas e choques violentos pela comissão e os resultados foram positivos, mas pesava mais de 40 kilos em vez dos apenas 35 da versão anterior. O modelo nr.3 (1759) com o peso de 8 kg quase nem chegou a ser testado porque o próprio John Harrison não se sentiu satisfeito. Começa logo a desenvolver um novo modelo que fica concluído em 1760. É o famoso nr.4 que pesa somente 1,5 kg! Numa viagem de 9 semanas à Jamaica o relógio perdeu apenas 5 segundos, mas foi preciso uma segunda prova de 5 meses, em que o atraso foi de apenas 54 segundos, para confirmar o direito ao prémio.

Apesar do enorme sucesso que foi a invenção do cronómetro, a sua introdução a bordo foi lenta e só em meados do séc.XIX o seu uso começou a generalizar-se. Isto devido ao seu custo e sobretudo ao receio dos comandantes na fiabilidade do novo instrumento. Mesmo que levassem dois ou mais cronómetros (e faziam-no!) nunca sabiam qual deles estava errado. Os cronómetros marítimos foram usados por James Cook nas suas viagens de exploração e permitiu-lhe cartografar com grande rigor as águas por onde passou. Como ainda havia receio quanto à precisão, o almirantado inglês ofereceu 4 cronómetros para a viagem. Em 1831 o Beagle, onde Charles Darwin elaborou a sua teoria da evolução, levava a bordo 22 cronómetros, tal era o receio de se perder o tempo. Este receio só desapareceu completamente com o aparecimento da TSF que passou a emitir um sinal horário permitindo assim o acerto dos cronómetros.

Na sua evolução foi incluído ainda numa caixa com um sistema cardan que o protegia dos balanços. A técnologia tirou-o dessa caixa e permitiu a sua fixação na vertical e quanto ao seu custo e precisão, os modernos relógios de quartzo atiraram o antigo cronómetro marítimo definitivamente para o museu.

jordans for sale green