Regras Sinais Sonoros

»» Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar

As regras aqui descritas são um resumo alargado do Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar no que diz respeito aos Sinais Sonoros e luminosos usados em navegação. Omitiu-se a descrição dos anexos e parte de algum texto, mantendo-se no entanto o essencial.

Regras de Manobra e Navegação | Sinais Sonoros | Faróis de Navegação | Balões de Navegação

Consulte sempre a publicação oficial e os avisos aos navegantes publicados pelo Instituto Hidrográfico.

 


Regra 32 - Definições:

a) A palavra apito designa todo o dispositivo de sinalização sonora capaz de produzir os sons prescritos e que esteja conforme com as especificações do Anexo III deste regulamento (Características Técnicas do Material de Sinalização Sonora).

b) A expressão som curto designa um som de apito com uma duração de cerca de um segundo.

c) A expressão som prolongado designa um som de apito com uma duração de quatro a seis segundos.


Regra 33 - Material de sinalização sonora:

a) Um navio de comprimento igual ou superior a 12 m. deve dispôr de um apito e de um sino e um navio de comprimento igual ou superior a 100 m. deve dispôr também de tantã cujo som e timbre não possam ser confundidos com os do sino. (...) O sino ou o tantã, ou ambos, podem ser substituidos por outro equipamento com as mesmas características sonoras desde que seja sempre possível accionar manualmente os sinais prescritos.

b) Um navio de comprimento inferior a 12 m. não é obrigado a ter a bordo os dispositivos de sinalização sonora descritos no parágrafo a) desta Regra, mas, na sua falta, deve estar dotado de outros que lhe permitam produzir sinais sonoros eficazes.


Tabela de sinais sonoros em manobra

SINAL Significado
. estou guinando para estibordo
. . estou guinando para bombordo
. . . as minhas máquinas estão a trabalhar à ré
. . . . . não compreendo as suas intenções
- - . tenciono passá-lo por estibordo
- - . . tenciono passá-lo por bombordo
- . - . pode passar

Regra 34 - Sinais de Manobra e de Aviso:

a) Quando vários navios estão à vista uns dos outros, um navio de propulsão mecânica a navegar deve, quando execute manobras autorizadas ou prescristas por estas regras, indicar essas manobras pelos seguintes sinais emitidos por apito:

- um som curto para indicar: «Estou guinando para estibordo»;

- dois sons curtos para indicar: «Estou guinando para bombordo»;

- três sons curtos para indicar: «As minhas máquinas estão a trabalhar à ré».

b) Qualquer navio pode completar os sinais de apito, prescritos no parágrafo a) des Regra, com sinais luminosos repetidos, segundo as necessidades, durante toda a manobra:

(i) estes sinais luminosos têm o seguinte significado:

- um relâmpago para indicar: «Estou guinando para estibordo»;

- dois relâmpagos para indicar: «Estou guinando para bombordo»;

- três relâmpagos para indicar: «As minhas máquinas estão a trabalhar à ré»;

(ii) cada relâmpago deve durar cerca de um segundo, o intervalo entre relâmpagos deve ser cerca de um segundo e o intervalo entre os sinais sucessivos deve ser de, pelo menos, de dez segundos;

(iii) o farol utilizado para este sinal deverá, caso exista, ser de luz branca, visível em todo o horizonte, com o alcance mínimo de 5 milhas e satizfazendo as disposições do Anexo I deste regulamento (Localização e Características Técnicas dos Faróis e Balões).

c) Quando estão à vista um do outro num canal estreito ou via de acesso:

(i) um navio que tenciona ultrapassar outro deve, de acordo com as disposições da Regra 9e(i), indicar a sua intenção, emitindo os seguintes sinais de apito:

- dois sons prolongados seguidos de um som curto para indicar: «Tenciono ultrapassá-lo por seu estibordo»;

- dois sons prolongados seguidos de dois sons curtos para indicar: «Tenciono ultrapassá-lo por seu bombordo»;

(ii) o navio que está a ser alcançado deve, manobrando de acordo com as disposições da Regra 9e(i), indicar a sua concordância emitindo o seguinte sinal de apito:

- um som prolongado, um som curto, um som prolongado e um som curto, emitidos por esta ordem.

d) Quando dois navios à vista um do outro se aproximam e, por uma razão qualquer, um deles não compreende as intenções ou manobras do outro, ou tem dúvidas sobre se o outro navio está a efectuar a manobra adequada para evitar o abalroamento, o navio que tem dúvidas deve indicá-las imediatamente, emitindo uma séria rápida de, pelo menos, 5 sons curtos de apito. Este sinal pode se complementado por um sinal luminoso de, pelo menos, cinco relâmpagos curtos e em sucessão rápida.

e) Um navio que se aproxima de uma curva ou de uma zona de um canal ou de uma via de acesso onde existem obstáculos que podem encobrir outros navios deve fazer emitir um som prolongado. Qualquer navio que se aproxime e que ouça o sinal do outro lado da curva, ou por detrás do obstáculo, deve responder emitindo um som prolongado.

f) Quando existirem apitos instalados a bordo de um navio a uma distância superior a 100 m. uns dos outros, não se deve utilizar senão um deles para emitir sinais de manobra ou aviso.


Tabela de sinais sonoros em condições de visibilidade reduzida

SINAL Frequência NAVIO
- 2 minutos com seguimento
- - 2 minutos pairando
- .. 2 minutos navio à vela
- .. 2 minutos em faina de pesca
- .. 2 minutos rebocador, desgovernado
- ... 2 minutos rebocado
. - . 2 minutos fundeado
.... 2 minutos pilotos (identificação)

Regra 35 - Sinais Sonoros em condições de visibilidade reduzida:

Tanto de dia como de noite, numa zona de visibilidade reduzida ou nas suas proximidades, os sinais prescritos nesta Regra devem ser utilizados como se segue:

a) Um navio de propulsão mecânica com seguimento deve emitir um som prolongado com intervalos que não ultrapassem dois minutos.

b) Um navio de propulsão mecânica pairando (com as máquinas paradas e sem seguimento) deve emitir, com intervalos não superiores a dois minutos, dois sons prolongados separados por um intervalo de cerca de dois segundos.

c) Um navio desgovernado, um navio com capacidade de manobra reduzida, um navio condicionado pelo seu calado, um navio à vela, um navio em faina de pesca e um navio que reboca ou empurra outro deve emitir, em vez dos sinais prescritos nos parágrafos a) ou b) desta Regra, três sons consecutivos, sendo um som prolongado seguido de dois sons curtos, com intervalos não superiores a dois minutos.

d) Um navio em faina de pesca, quando está fundeado, e um navio com capacidade de manobra reduzida executando o seu trabalho, quando está fundeado, devem emitir, em vez dos sinais prescritos no parágrafo g) desta Regra, o sinal prescrito no parágrafo c) desta Regra.

e) Um navio rebocado ou o último de um comboio, no caso de haver mais do que um rebocado, se tiver tripulação a bordo, deve emitir, a intervalos não superiores a dois minutos, quatro sons consecutivos, sendo um som prolongado seguido de três sons curtos. Quando possível o sinal deve ser emitido imediatamente depois do sinal do navio rebocador.

f) Um navio empurrando e um navio empurrado para vante, ligados por uma estrutura rígida de modo a formar uma unidade composta, devem ser considerados como um navio de propulsão mecânica e devem emitir os sinais prescritos no parágrafo a), ou b) desta Regra.

g) Um navio fundeado deve tocar o sino em cadêncio rápida durante cerca de cinco segundos, em intervalos não superiores a um minuto. A bordo de um navio de comprimento igual ou superior a 100 m. deve-se tocar o sino a vante e, imediatamente depois, tocar rápidamente o tantã, durante cerca de cinco segundos, a ré. Um navio fundeado pode, além disso, emitir três sons consecutivos, sendo um som curto seguido de um som prolongado e de um som curto, para assinalar a um navio que se aproxima a sua posição e a possibilidade de abalroamento.

h) Um navio encalhado deve tocar o sino e, se for caso, tocar o tantã, como prescrito no parágrafo g) desta Regra. Deve ainda dar três toques de sino separados e distintos, imediatamente antes e depois dos toques rápidos do sino. Pode ainda adicionalmente emitir um sinal apropriado de apito.

i) Um navio de comprimento inferior a 12 m. não é obrigado a fazer os sinais acima mencionados, mas, quando o não fizer, deve emitir um outro sinal sonoro eficaz, com intervalos não superiores a dois minutos.

j) Um barco de pilotos em serviço de pilotagem, além dos sinais prescritos no parágrafo g) desta Regra, o sinal prescrito no parágrafo a), b) ou g) desta Regra, pode emitir um sinal de identificação, consistindo em quatro sons curtos.


Regra 36 - Sinais destinados a chamar a atenção:

Qualquer navio pode, se julgar necessário, para chamar a atenção de outro navio, emitir sinais luminosos ou sonoros que não possam ser confundidos com qualquer dos sinais prescritos por qualquer destas regras, ou então orientar o feixe do seu projector na direcção do perigo que ameaça um navio e por forma que o feixe não perturbe outros navios. Qualquer luz destinada a chamar a atenção de outro navio não deve poder ser confundida com uma ajuda à navegação. Para os fins desta regra deve ser evitado o emprego de luzes intermitentes ou giratórias de alta intensidade como, por exemplo, as lanternas giroscópicas.


Regra 37 - Sinais de Perigo:

Um navio que está em perigo e pede assistência deve utilizar ou mostrar os sinais descritos no Anexo IV deste regulamento (Sinais de Perigo)

... Parte do referido Anexo:

1 - Sinais utilizados que significam perigo e a necessidade de assistência:

a) tiro de peça, ou outros sinais explosivos, com intervalos de cerca de um minuto;

b) som contínuo, produzido por qualquer aparelho de sinais de nevoeiro;

c) foguetes ou bombas, projectando estrelas de cor vermelha, lançados um de cada vez a intervalos curtos;

d) sinal emitido por radiotelegrafia, ou por qualquer outro sistema de sinalização, formado pelo grupo ... - - - ... (S.O.S.) do Código Morse;

e) sinal radiotelefónico formado pela palavra Mayday;

f) sinal de perigo NC do Código Internacional de Sinais (C.I.S.);

g) sinal formado por uma bandeira quadrada, tendo, acima ou abaixo dela, um balão esférico;

i) fogueiras a bordo (tais como as produzidas pela combustão de óleo, alcatrão,tec.);

j) foguete com pára-quedas, ou um facho de mão, que produzam uma luz vermelha;

k) movimentos lentos e repetidos, de cima para baixo, com os braços estendidos;

...

Air Jordan XVIII 18