Instrumentos Náuticos

Os instrumentos náuticos são uma peça fundamental na arte de navegar. A sua finalidade é basicamente obter a posição da embarcação de modo a permitir uma navegação segura. Outros são apenas auxiliares ou complementares desses instrumentos não sendo por isso de desprezar. Modernamente a electrónica, pela sua facilidade e fiabilidade, impôs-se e quase nos faz esquecer o difícil percurso da descoberta e aperfeiçoamento dos instrumentos usados pelos pioneiros da arte de navegar dos quais os portugueses se podem orgulhar de também terem contribuído. Os problemas que se puseram sobre a latitude e longitude deram um grande impulso ao aperfeiçoamento e descoberta de novos instrumentos.
Ainda hoje em dia há quem tenha de recorrer a essas "relíquias", não só como distracção de bordo, mas também como recurso perante as avarias e falibilidade da moderna aparelhagem.


Ampulheta - Relógio de areia constituído por dois recipientes cónicos de vidro unidos pelo vértice de modo a deixarem correr a areia de um recipiente para o outro num determinado periodo de tempo.


Anemómetro ou Anemógrafo - é um aparelho que serve para medir a intensidade do vento.


Astrolábio - O astrolábio marítimo era usado para determinação da altura dos astros sobretudo a do Sol. Feito em ferro, a rodela graduada era suspensa por um anel e apontado pela alidade de modo a poder-se tomar a altura deste.


Balestilha - Usado para medir a altura dos astros era composto por uma vara de secção quadrada onde deslizava uma outra na perpendicular. Entre nós só as estrelas eram medidas com este instrumento sendo o Sol tomado com o astrolábio.


Barquinha - Aparelho destinado a medir a velocidade de um barco. Um sector de madeira preso por um cabo que, marcado com nós espaçadamente, deixava-se correr por um determinado periodo de tempo. Daí o name de atribuído à unidade de velocidade de uma embarcação.


Binóculo - No século XVII o padre Reitha, um investigador alemão, uniu duas lunetas a que chamou binóculo. Hoje em dia são acrescentados prismas e azoto de modo a melhorar-se a qualidade da luz que atravessam as lentes, havendo mesmo tipos de binóculos onde não é preciso fazer sequer a focagem do objecto.


Bússola - Não se sabe bem a origem mas pensa-se que a sua utilização na Europa veio através dos Árabes que tiveram conhecimento dela a partir dos Chineses.


Bússola Solar - Usada pelos Vikingues para orientarem os seus «knarr», este disco em madeira tinha pequenas incisões nos bordos e uma haste vertical ao centro.


Carta Náutica (Compasso, Esquadro, Réguas Paralelas) - Desde os Portulanos até às modernas cartas digitais o objectivo é o mesmo. Conhecer as áreas de navegação, costas, portos de abrigo e distâncias entre pontos. Usando alguns instrumentos associados traçam-se os rumos, calculam-se distâncias e marca-se o ponto.


Cronómetro Marítimo - Intimamente ligado ao problema da longitude o cronómetro, foi apresentado por John Harrison em 1735 e permitiu finalmente meios para a obtensão da longitude no mar.


Decca - Sistema hiperbólico de radiolocalização constituído por um grupo de estações que emitem com rigoroso sincronismo de fases, na mesma frequência.


Diário de Bordo - Não será propriamente um instrumento mas um precioso e indispensável auxiliar de navegação onde os registos aí anotados permitem não só refazer um rumo ou uma posição como também a história da viagem e da vida a bordo.


Giroscópio - Aparelho que contém um sólido ao qual se imprime uma grande velocidade em torno de um eixo suspenso num sistema do tipo Cardan permitindo conservar invariável a direcção desse eixo em movimento. Foi, entre outros instrumentos, usado na bússola-giroscópia.


Goniómetro - É todo o instrumento que mede distâncias ângulares (bússolas, sextantes, taxímetros, etc.). No entanto queremos referir aqui o Rádiogoniómetro que é um receptor de sinais emitidos com o fim de se determinar azimutes.


GPS - O mais avançado e moderno sistema de posicionamento. A partir de sinais enviados pelos vários satélites do sistema, este aparelho pode determinar com grande precisão um ponto.


Inclinómetro - O nome diz quase tudo. Com este instrumento verificamos a inclinação lateral de um barco.


Kamal - Instrumento composto por uma tábua e um fio com vários nós usado pelos pilotos árabes do Índico para medir a altura dos astros.


Loran - Abreviatura de Long Range Navigation, que é um sistema de localização do tipo hiperbólico que tem por base a medida do intervalo de tempo com que são recebidos sinais sincronizados por estações terrestes.


Meteorológicos - (Barómetro, Catavento, Higrómetro, Termómetro) - Em navegação a previsão das condições do tempo é de extrema importância. Nos barcos à vela a direcção e intensidade do vento são primordiais para se poder tirar o maior rendimento possível. Estes instrumentos ajudam não só durante a navegação mas também na previsão.


Nocturlábio - Instrumento que se destinava a ler a hora recorrendo ao movimento das estrelas.


Octante - Foi o primeiro instrumento de dupla reflexão. A partir de uma ideia de Robert Hooke, em 1731 John Hadley apresentou este instrumento capaz de ler ângulos até 90º.


Óculo ou Luneta - Foi Galileu que no séc. XVII aperfeiçou a luneta e mostrou a sua utilidade. Se bem que usado primeiramente para observações astronómicas foi rapidamente adoptado noutras áreas e claro na navegação. Parece que a primeira foi fabricada em Itália em 1590 por um fabricante de lentes.


Odómetro - Aparelho que permite medir a velocidade do barco sobre a água.


Prumo - Serve para medir a altura da maré e para saber o tipo de fundo.


Quadrante - Mais antigo que o astrolábio o quandrante náutico também servia para tomar alturas do astros.


Radar - É um aparelho que emite ondas que são depois reflectidas num objecto e detectadas por um receptor. Este mede o intervalo de tempo entre a emissão e recepção do sinal calculando assim a distância até ao objecto.


Roteiro - É também um auxiliar à navegação e contém informação sobre um zona, tal como ventos, correntes, marés, perigos variados, etc.


Sextante - Aperfeiçoamento do octante, este aparelho, ao contrário daquele, consegue ler ângulos até 120º.


Sonda - As sondas electrónicas além da altura da maré já permitem também obter uma visão tridimensinal do fundo.


«Star Finder» ou Identificador de Estrelas - Composto por um ou vários discos para uma gama de latitudes, a norte e sul, mostra-nos as posições das estrelas no céu para qualquer hora do dia e periodo do ano.


Tabela de Marés - Pode-se considerar uma ajuda à navegação e permite prever e calcular as alturas da maré para uma determinada hora e local. Lembremo-nos que as amplitudes, dependendo do local, podem variar até cerca de 15 metros.


Tabelas Náuticas ou Almanaque - Estas tabelas são editadas anualmente e têm informação sobre alguns astros (Sol e estrelas mais importantes, Lua e planetas) para todos os dias e horas do ano, informação essa essêncial para o cálculo do ponto a partir da hora e altura do astro medido.


Tábuas de levar as estrelas - Antigo instrumento que os chineses usaram em navegação para se orientarem pelas estrelas.


Taxímetro - Este aparelho permite tirar azimutes relativamente à direcção do navio. Normalmente está graduada de 0º a 180º alinhando o 0 com a proa do navio.


Telémetro - Instrumento óptico que serve para medir distâncias. Conhecendo a distância entre dois pontos os ângulos formados para o terceiro permitem geométricamente obter a distância a este último.